sábado, 11 de dezembro de 2010

XXI - VIAJANTE


















VIAJANTE

Perco-me em curioso pensamento
Nele sinto um perfume conhecido
Que traz uma saudade sem sentido
Lembrança causadora do momento

Agora, passo a passo esse acalento
Pintado que se fora tão morrido
Um sonho que sentisse por ter ido
Imprevisto disfarce ao sentimento

Nem sequer o prazer é um ensaio
Segredo destinado à fantasia
Da vida tempo raro onde recaio

Que todas as volúpias desse dia
Vieram das memórias de um diário
Miragens do horizonte em melodia

Miguel Eduardo-


Um comentário:

marilandia disse...

"...Que todas as volúpias desse dia
Vieram das memórias de um diário
Miragens do horizonte em melodia"

Cordas das fantasias vibram ao sabor de "VIAJANTE".

SONETO DE RARÍSSIMA E MELODIOSA INSPIRAÇÃO!!!
Beijos.
Marilândia