quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

XI - FLOR SILVESTRE


















FLOR SILVESTRE

Na febre de um desejo rés da pele
É tal e forte a chama inebriada
Que o ato faz-se todo temporada
E o mundo se tranforma e se derrete

Na dança ornamental apalavrada
O meu desejo inventa e não repele
Para gozar a festa faz confete
Pois tudo é força mágica e suada

São dias animados de luxúria
Para aquecer a cor da confidência
E tal segredo saia da clausura

Como supostamente uma evidência
Modele-se em paixão que se afigura
Fazendo-a perfeita em florescência


Miguel Eduardo-

Um comentário:

marilandia disse...

"...desejo rés da pele
.......................
Para aquecer a cor da confidência..."

SACROSSANTA INSPIRAÇÃO, MIGUEL!!!

Beijos.
Marilândia