sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

XIV - SINA


















SINA

Sei que ninguém é perfeito
Tu, mulher, amor bandido
Não sei se entendo direito
Ou quiçá tudo invertido

Pela boca peço o beijo
Quero a noite em vez do frio
No entanto, carinho e jeito
Só tenho ao sol do arrepio

Lua da minha integridade
Que de novo torna dia
Tu és a minha saudade

És intrépida magia
Na letra, céu da verdade
Ainda és o que via

Miguel Eduardo



Um comentário:

marilandia disse...

Pra magistrais versos, "...tinha de ser" - na perfeita versão de Elis.
A cada poema, exuberante magia...

Beijos.
Marilândia