quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

IX - MOMENTOS

























MOMENTOS

Um dia sabe sangue, e a rosa louca ri
Resolveu como quis, navegou no entre si
Fez-se noite atrevida, mulher distraída
Que gostando de ser, vai cometer a lida

Veio escutar um coração em frenesi
Pode perpetuar, sentindo o que sorri
Festa encantada, que mistura e rima a vida
Quando um casal se junta e a faz entorpecida

A céu aberto o leito é mar, valsa elegante
Reside em dança onde se perde e segue avante
Viagem sem regresso flui, grassa capaz

Que nesse corpo em que me entalo e fico lá
Despe-se a alma, o seio cresce e tudo há
Num só instante a vida inteira num záz-trás

Miguel Eduardo



Um comentário:

marilandia disse...

"MOMENTOS" duplo comentário (lá e cá) exigem, tal a magnitude dos versos:
"Um dia sabe sangue, e a rosa louca ri..."
..........................................
"Festa encantada, que mistura e rima a vida..."

MARAVILHAS EM POÉTICAS E DIVINAIS PÉROLAS!!!
Beijos.
Marilândia