sábado, 4 de dezembro de 2010

XVII - LEDO ENGANO



















LEDO ENGANO

Esses olhares seguem em segredo
Aonde alcança o mar por distraído
Entrevistos pesares que dão medo
Como aflige de insânia o amor contido

Cenário que conduz a engano ledo
Nas cores de um desejo pervertido
Em que a vontade dá, se faz mais cedo
E cede à voz mais forte e sem sentido

O meu querer é outro, é previsto
No foro expresso d’alma se regala
E se distrai enquanto o resto é quisto

Em meio de quimeras de uma escala
Acordes dissonantes do imprevisto
Que o coração medita mas não fala

Miguel Eduardo -



Um comentário:

marilandia disse...

Além da magia encerrada em "ENGANO LEDO", "Acordes" musicais em total sintonia com a magnitude dos versos.

Beijos.
Marilândia