domingo, 6 de março de 2011

XXXIX - SAPECA


















SAPECA

Adornada por cachos tom de festa
Reflexos, alegria irreverente
Nos cabelos silvestres de floresta

Na voz branca de sonhos, um presente
Nas palavras douradas, a seresta
Que me força a sentir subitamente

Prazer do contemplar através de
Porquanto a vejo em risos como estrelas
Inexplicáveis traços do por quê
À noite como encanta o antever

E se anda, seu dia fica a mercê
Do instante que tão bem soube fazê-la
E aviva-se o desejo, que se vê
Novamente faminto, como ela

Miguel Eduardo-

Um comentário:

marilandia disse...

MAGIA REPLETA DE ESPLENDOR, Miguel.
Nem me atrevo a ressaltar verso algum, porquanto "SAPECA" é toda uma seara harmonicamente encadeada.
Beijos.
Marilândia