domingo, 20 de fevereiro de 2011

XXXIV - KUNDALINE

























No despertado rito dos amores
Saber de pele que o desejo afaga
Segredo é desvendado quando fores
Eterno paraíso, a madrugada...

Arrebatando a gula mil sabores
Atirem-se à ventura que me traga
A fúria do prazer por tais odores
Em contenda de lide incendiada.

Certa maneira bela a mente veste
Que ao corpo sensação desperta a vida
Na amável sedução da luz que despe...

Por si esse momento é sem saída
Resume-se a um ato inconteste
Que faz a humana seiva assim parida!

Miguel Eduardo-

Um comentário:

marilandia disse...

Verso a verso em escultural requinte...
Teu poemar, Miguel, é deveras IRRETOCÁVEL!!!
JÓIAS RARÍSSIMAS!!!

Beijos.
Marilândia