segunda-feira, 29 de novembro de 2010

II - ANSIEDADE

























ANSIEDADE

A gota d´água foste da pureza
Do nosso corpo, o sol maravilhado
E o que me faz feliz, e a ti, braveza
É o tempo que parece estar parado

Pois me findo esperando acorrentado
Na brincadeira firma-se a dureza
Onde o pecado é inacabado
Porque a beleza é feita da certeza

E ao ver-te como vinho envelhecido
Os poros se dilatam e se apuram
Na carne que já tem nos consumido

Quando a graça é tecida sobre a cama
Essência acompanhada de saliva
Volúpia insinuada de quem ama

Miguel Eduardo Gonçalves (2005)




Um comentário:

marilandia disse...

"...E ao ver-te como vinho envelhecido
......................................
Quando a graça é tecida sobre a cama
......................................
Volúpia insinuada de quem ama"

"ANSIEDADE" traduzida em magníficos fragmentos do "pecado".

Raros os poetas que se expressam com tamanha magnitude!!!

Beijos
Marilândia